jusbrasil.com.br
16 de Dezembro de 2018

Moro será o Ministro da Justiça de Bolsonaro

A tendência é que Sérgio Moro siga posteriormente ao Supremo Tribunal Federal.

Escola Brasileira de Direito, Professor
mês passado

O juiz federal Sério Moro aceitou hoje, 01 de novembro de 2018, o convite de Jair Bolsonaro para assumir o cargo de Ministro da Justiça a partir de 2019. Tanto o presidente eleito quanto o juiz federal confirmaram a notícia por meio de nota à impressa.

Na nota, Moro afirmou que se afastará dos atos da Operação Lava Jato para “evitar controvérsias desnecessárias”. Além disso, afirmou que sua decisão se fundamentou na possibilidade de implementação de uma “forte agenda anticorrupção e anticrime organizado”.

Importante mencionar que a tendência é que Sérgio Moro siga posteriormente ao Supremo Tribunal Federal, como ocorreu com o atual ministro Alexandre de Moraes, uma vez que o ministro Celso de Mello se aposentará em 2020.

Ademais, o ministro Marco Aurélio também se aposentará da Supremo Corte durante o mandato do Jair Bolsonaro (2021).

  • Qual sua opinião sobre?

O poder de transformação e conquista de seus objetivos está em você e a EBRADI está comprometida em direcioná-lo em sua carreira. Nossa metodologia une conteúdo de alta qualidade, tecnologia de ponta e serviços que permitem o ensino completo a distância com aproveitamento total do seu potencial de aprendizagem.

Fonte da imagem: otaviosaleitao

23 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

Discordo, Paulo! Acredito que foi uma excelente escolha! continuar lendo

A lamúria daqueles que possuem bandido de estimação não será pouca! Que bela notícia!

O Brasil vai começar a mudar logo logo. Deus pode tardar mas não falha. continuar lendo

Juiz partidário continuar lendo

Exatamente... Agora que abandonou a Lava Jato continuar lendo

Que todos assim o sejam.
Partidários, de um país sem ladrões. continuar lendo

Queriam que colocasse o Lula ou Gilmar Mendes lá??

Cada um... continuar lendo

Marco Aurélio teve sua filha nomeada por Dilma aos 36-37 anos para ministra do TRF2, mesmo sem ela ter feito nada demais na área do Direito. Desde então ele vem decidindo conforme interesses do PT. Seria ele partidário?

Gilmar Mendes livrou da prisão gente do PSDB após anunciar votos favoraveis às teses do PT. Seria ele partidário?

Toffoli, ex-advogado do PT, ex-AGU de Lula, livrou Dirceu da prisão com uma tese que só aplica para quem paga milhões a advogados. Seria partidário?

Favreto só ocupou cargos em comissão durante governos petistas até ser nomeado por Dilma ao TRF4, e fez seu showzinho em episódio amplamente conhecido. Seria ele partidário?

Cardoso foi mais um advogado particular de Dilma durante o impeachment do que um AGU. Seria ele partidário?

Rosa Weber foi indicada por Dilma após pedido de seu ex-marido e amigo de Rosa. Seria ela partidária?

Bem, acho que já é o suficiente para entender. Ademais quem quiser contestar as decisões de Moro é só se apresentar à defesa de Lula e demais do PT e mostrar serviço.

Moro na primeira instância é alvo muito mais fácil de militantes togados. É uma simples questão de sobrevivência ele e evoluir, pois fez o que todos duvidavam.

É um nome respeitado e aplaudido pela camada social que quer ver o combate à corrupção e a punição dos peixes graúdos que saqueiam o Brasil há mais de uma década. continuar lendo

Pois é, muitas das decisões de Moro pareciam partidárias. Agora confirma-se.

Como se diz mesmo? Não basta ser honesto, é preciso que também pareça... continuar lendo

Os que mais reclamam do Moro são os que aplaudem Favreto, Marco Aurélio, Lewandowski, Toffoli, Gilmar Mendes ... curioso não?!

Aliás, como PT seria o Favreto, ou alguém acha que ele criou aquele circo gratuitamente? continuar lendo