jusbrasil.com.br
18 de Dezembro de 2017

Masp proíbe entrada de menores 18 anos, mesmo que acompanhados

Escreva sua opinião nos comentários

EBRADI
Publicado por EBRADI
há 2 meses

Nesta sexta-feira (20/10), o Museu de Arte de São Paulo (Masp), localizado na Avenida Paulista, no Centro da cidade, inaugurará a exposição “Historias da Sexualidade”. Todavia, algo de inusitado vem chamando a atenção dos veículos midiáticos e de grande parte dos paulistanos.

Durante os setenta anos de existência, essa será a primeira vez que menores de dezoito anos serão proibidos de frequentar uma exposição, mesmo que acompanhado dos pais ou responsáveis.

A título de curiosidade, a exposição em tela detém mais de trezentas obras de diversos artistas, dentre eles estão: Edgard Degas, Maria Auxiliadora da Silva, Pablo Picasso, Paul Gauguin, Suzanne Valadon e Victor Meirelles

Por todo o exposto e por todo o ocorrido após os funcionários do Museu de Arte Moderna (MAM) serem atacados por protestantes, essa foi uma saída encontrada pelos responsáveis pela administração do Masp para driblar possíveis críticas maléficas dos internautas nas redes sociais.

Seguindo esse entendimento é plausível que o museu mantenha esse posicionamento em futuras exposições, a fim de protestos calorosos.

Vale pontuar que, dessa forma, o museu afronta severamente o poder familiar ao impedir que os pais levem seus filhos à exposição. Por outro lado, o museu alega que está observando todos os princípios constitucionais e a sua medida apenas fortalece a proteção prioritária à criança e ao adolescente.

Afinal de contas, quem possui razão no caso retro exposto?

Escreva sua opinião nos comentários.

188 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

"Vale pontuar que, dessa forma, o museu afronta severamente o poder familiar ao impedir que os pais levem seus filhos à exposição"

Claro, porque na cabeça deturpada dessa turma o poder familiar suprime as vedações constantes no ECA. Afinal, o que há de errado em uma criança tocar um adulto nu se a mãe autoriza isso?
E ainda querem ser levados a sério? Por favor...

Não sei o teor dessa exposição no MASP, mas certamente o fato de haver censura para menores é algo positivo. Doa a quem doer. continuar lendo

Vei procura o face para falar essas besteiras cara!!! continuar lendo

Um sujeito com o nick de Texano? Esperar o que? Censura é para quem tem medo da vida. continuar lendo

@luizroberto

Falou o advogado que em outro comentário afirmou "a lei não importa, importa o que nós entendemos como arte" e usa "vei".

Poxa vida, agora eu me ofendi... Sério. continuar lendo

É impressionante a postura dessa galera que defende o fato. "Vei procura o face para falar essas besteiras cara!!!" Putz, que comentário escrot** . Foi a maior besteiro que já li aqui. O Texano tem razão. Concordo com ele. Só discordo no final, quando ele diz "Não sei o teor dessa exposição no MASP, mas certamente o fato de haver censura para menores é algo positivo. Doa a quem doer."

Revi minha opinião após ler os esclarecimentos prestados pelo Museu. Parabéns ao MASP pela atitude responsável. continuar lendo

@paulocvasconcellos Censura? Onde houve censura? Nem na queer museum e nem no mam. Agora o que aconteceu foi uma classificação etária, algo que difere, e muito, de censura. Aliás, boicote não é censura, como a "classe artística" anda pregando por aí.

E mais: se na televisão a nudez possui faixa etária de 18 anos, não há razão para que uma criança de quatro anos (exemplo) possa perambular livremente por uma exposição cujo tema seja sexo e assemelhados, à revelia dos pais, como aconteceu aqui em Porto Alegre.

Se você não aceita isso, não posso fazer nada. É assim que a lei determina que seja e é justamente por temer represálias, inclusive de ordem legal, que o museu classificou a exposição previamente.

Ninguém tem medo da vida, meu caro, mas a vida é regrada por um conjunto de valores, embora muitos não concordem com isso. O mesmo acontece com a lei e, ao contrário do que o advogado Luiz Roberto falou em seu comentário, ela importa, sim. Importa tanto que o museu preferiu abster-se de polêmicas precoces e de eventuais represálias permitindo a entrada indiscriminada de pessoas na exposição.

Aliás, para alguém que visa me ofender ou desdenhar de meus comentários apenas pelo meu apelido no site,, até mesmo suas palavras são limitadas. Melhore, é o meu conselho.

Tenha uma boa tarde. continuar lendo

Caio Soares:
Recomendo-lhe a leitura da Íntegra da Nota do MASP a respeito dessa exposição e de sua atitude.
Houve a autoclassificação em função das normas vigente e do Guia Prático de Classificação Indicativa do Ministério da Justiça.
Não se trata de covardia, como disseste, mas de atenção às leis e ao interesse dos menores.
Cordiais Saudações.
P.S. postei, em comentário autônomo cópia dessa Nota. continuar lendo

@caiocsoares Não classificaria como covarde, mas sim como preocupada com a repercussão que isso possa gerar. Como eu disse, não tenho conhecimento do que será exposto nessas obras, portanto, não posso afirmar com propriedade se a classificação foi adequada ou não.

Mesmo assim, achei a medida válida porquanto a atuação do MP, cuja solicitação já foi realizada, ao que fiquei sabendo, poderá vir a pedir a reclassificação etária para o ingresso na exposição. Daí o porquê de entender essa medida como acertada. continuar lendo

Conforme recomedado, acabei de ler a íntegra da Nota do Masp. Foi realmente muito esclarecedora..

Vou inclusive retirar esse termo "covarde" do meu comentário anterior, e postar a nota aqui embaixo. Parabéns ao museu.

"São Paulo, 18 de outubro de 2017

Nota à imprensa

O Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand – MASP vem a público oferecer esclarecimentos a respeito da classificação indicativa adotada para a exposição Histórias da sexualidade.

O Estado de direito pressupõe que todos os brasileiros, sejam pessoas físicas ou jurídicas, obedeçam àquilo que dispõe a Constituição Federal de 1988, a qual consagra tanto a liberdade de expressão, quanto a proteção prioritária à criança e ao adolescente. Esses princípios constitucionais embasam, de um lado, a vedação a toda e qualquer censura de natureza política, ideológica e artística e, de outro, a adoção de medidas de proteção ao menor pela família, pela sociedade e pelo Estado.

Nesse sentido, o MASP buscou orientação jurídica quanto ao enquadramento de exposições como “exibições e apresentações públicas”, o que importaria na autoclassificação indicativa, como previsto pelo Ministério da Justiça: “dispensados de análise prévia: espetáculos circenses, espetáculos teatrais, shows musicais e outras exibições e apresentações públicas. Essas devem se autoclassificar segundo os critérios do Manual de Classificação Indicativa e deste Guia Prático, mas estão dispensadas de apresentar requerimento ao Ministério da Justiça”.

PUBLICIDADE
Uma vez que a orientação jurídica confirmou a autoclassificação, houve a análise das obras integrantes da exposição Histórias da sexualidade, à luz dos critérios contidos no Guia Prático de Classificação Indicativa do Ministério da Justiça, tendo-se concluído que tal exposição deveria ser classificada como não permitida para menores de 18 anos.

A classificação etária de 18 anos implica a impossibilidade de menores de idade ingressarem na exposição, mesmo acompanhados de seus pais ou responsáveis ou portando autorização específica para tanto, conforme prevê a Portaria no. 368 do Ministério da Justiça: “Art. 8o. A prerrogativa dos pais e responsáveis em autorizar o acesso a obras classificadas para qualquer idade, exceto não recomendadas para menores de dezoito anos, não os desobriga de zelar pela integridade física, mental e moral de seus filhos, tutelados ou curatelados.”

Dessa forma, observando a regulamentação vigente e orientação jurídica sobre o tema, o MASP estabeleceu a autoclassificação de 18 anos, restringindo o acesso à referida exposição para menores de idade, mesmo que acompanhados de seus responsáveis. Tal classificação será restrita às galerias da exposição" Histórias da sexualidade "no 1º andar, 1º subsolo e sala de vídeo. As exposições"Guerrilla Girls: gráfica, 1985-2017","Pedro Correia de Araújo: erótica"e"Acervo em transformação", nas galerias do 1º subsolo, 2º subsolo e 2º andar, respectivamente, continuarão abertas ao público em geral, com classificação livre." continuar lendo

Concordo com você Texano.
Já o colega que usa termos como:
"jovens sendo privados do acesso a obras de artistas clássicos consagrados" e "moralismo" (em sentido pejorativo), em relação a uma exposição como essa, sem comentários... continuar lendo

Concordo plenamente com o que você expôs, precisamos proteger nossas crianças.

Parabéns ao MASP, me deu até vontade de ir à exposição. continuar lendo

perfeita colocação continuar lendo

Nobres colegas, a decisão do MASP foi muito bem acertada, preserva a integridade física e moral de seus funcionários e principalmente das crianças, evitando que sejam expostas a uma situação esdrúxula de forma prematura que venha afetar a sua formação e até mesmo furtar sua inocência. No caso, não há censura e sim, a preservação da integridade moral da criança e do adolescente, conforme exigência do nosso ordenamento jurídico pátrio de proteção a criança e ao adolescente. Não se pode olvidar, pais negligentes que expõem seus filhos em situações vexatórias e/ou que atentem contra a sua dignidade e a formação moral são punidos com rigor, correndo o risco de perder inclusive o poder familiar. Permitir que uma criança toque no órgão sexual de um adulto ou artista em nome da arte, não deixa de ser crime.

Quem desejar ir a este tipo de exposição que vá, mas não exponham ou submetam as crianças a este tipo de agressão a sua inocência advinda desta arte tétrica de exposição do corpo humano, tudo deve vir ao seu tempo, seguindo a escala natural do desenvolvimento humano. Não olvidem, tudo nesta vida tem que haver limites, não se pode confundir liberdade com libertinagem, temos o dever de respeitar e preservar a integridade da criança, mesmo sendo na orbita da formação psicológica, Já temos delinquentes juvenis demais com a mente deturpada, não podemos engrossar esta lista. Encerro com um conhecido jargão popular que diz: “ A colheita dos bons frutos só depende da semente que você planta ”. continuar lendo

Partindo desse princípio se a mãe consentir da filha menor fazer sexo com uma besta na frente de todos os presentes não tem problema? E se for uma chupetinha? No seu conceito não terá problema algum. continuar lendo

É simples: basta que o museu consulte o Ministério Público, conforme já foi, inclusive, sugerido por um promotor da infância e juventude. Vejo essa situação como lamentável, mas entendo o receio do museu.

Como disse Umberto Eco pouco tempo antes de nos deixar, "as redes sociais deram voz a uma legião de imbecis". Agora o preço a ser pago é esse: jovens sendo privados do acesso a obras de artistas clássicos consagrados, tudo por culpa de movimentos liderados por moralistas.

Nietzsche disse que "a arte existe para que a verdade não nos destrua". E estava certo, pois a "verdade" professada pelos moralistas está levando ao obscurantismo esse país, já tão carente de educação e acesso à cultura.

Espero que o MASP reveja essa decisão e procure orientações junto ao Ministério Público. continuar lendo

Excelente resposta Dr.! continuar lendo

"as redes sociais deram voz a uma legião de imbecis"

Na verdade as redes sociais deram voz àqueles que os ditos artistas e intelectuais dizem representar. Apenas dizem porquanto não representam nem 10% do povo brasileiro.

Por isso tanta insatisfação da "classe artística", não há como lutar contra a enorme força das redes sociais que acabou por dar voz aos brasileiros que estavam sendo enganados há muito tempo e justamente por aqueles que diziam lutar em seu nome e defender seus valores, mas que na verdade pregam tudo que a grande maioria da sociedade repudia.

Estes "intelectuais" querem, na verdade, é calar quem pensa diferente deles para continuarem no mundinho alienado que eles conhecem muito bem. continuar lendo

Mas foi justamente isso que aconteceu.

"O promotor de Justiça, que atua na Promotoria de Justiça da Infância e da Juventude (Setor de Defesa dos Interesses Difusos e Coletivos), solicita que o Departamento de Justiça, Classificação, Títulos e Qualificação do Ministério da Justiça elabore parecer sobre a classificação indicativa. Ao MAM, solicita informações sobre a referida mostra e pede esclarecimentos sobre o critério de classificação etária.

Ferreira também oficiou à Secretaria de Cultura do Estado de São Paulo para obter informação para o inquérito civil e cópia do contrato de gestão. Solicita, ainda, ao Youtube e Facebook que removam os conteúdos que veiculam imagens de crianças e adolescentes na mostra."

(www.mpsp.mp.br/portal/page/portal/noticias/noticia?id_noticia=17606406&id_grupo=118) continuar lendo

O MP falou sobre a exposição de arte dizendo que ela não seria pedofilia e tal, mas não importa a lei, importa a visão que temos de arte e a visão que temos da lei o mais louca possível, esse Texano só fala bobagem! continuar lendo

Num país democrático (mesmo com imperfeições), "todo poder emana do povo", não do MP e/ou de quem quer seja. Menos ainda de uma meia dúzia de pessoas que acreditam que o Estado não tenha o poder de regular a conduta dos seus cidadãos. Bom senso, lembra razoabilidade. Não somos uma anarquia! continuar lendo

Muito elucidativa a resposta e com muita clareza diante da realidade. O tal Texano teme a intelectualidade, provavelmente por ser bem limitado. continuar lendo

@luizroberto

"não importa a lei"

Sério mesmo que você é advogado? continuar lendo

@paulovasconcellos Não temo a "intelectualidade" brasileira, que de intelectual só possui o nome, colocado de forma autônoma e pessoal, ainda por cima. Aliás, é essa "intelectualidade" que teme a sociedade brasileira, mormente após os últimos acontecimentos onde eles constataram que não representam ninguém a não ser eles mesmos.

Sabe quem são os intelectuais que respeito e que leio? Scruton, A. Scalia, Mises, Sowell... Estes não se autoproclamaram intelectuais.

A única limitação que se vê aqui, meu caro, é a sua gama argumentativa. continuar lendo

"Como disse Umberto Eco pouco tempo antes de nos deixar,"as redes sociais deram voz a uma legião de imbecis""

Inclusive a um feito você!

Obscurantismo é onde querem colocar nossas crianças e jovens. continuar lendo

No final, ainda que disfarçados com palavras desse tipo "tradicionais" e etc., no final, o ataque é sempre contra os "religiosos".
Bem, comunistas e esquerdistas são ateus. Se são ateus é porque negam a existência de Deus por alguma razão que, pela experiência, geralmente são egoístas.

Ora, em se considerando que as ciências e as artes na história de toda a humanidade até o iluminismo só tiveram racionalidade e lógica admitindo-se o pressusposto da existência de Deus, é claro que qualquer colocação com relação a "arte" hipermoderna baseada em filósofos ateus e reacionários negarão tudo para construir algo que acham inovador mas que não passa de farsas (que querem intitular como verdades) antigas já expostas ao longo da história da humanidade e já combatidas com razão e lógica humanas.

Essa "arte" com um conteúdo tão-somente "no sense" para que serve?
Nada.
Inútil e sem sentido!
Coisa de louco! continuar lendo

@alexandrescarpa Duas correções importantes em relação ao seu comentário:
"comunistas e esquerdistas são ateus". Não vou comentar sobre comunistas, pois não vivi esta época. Mas, em relação aos esquerdistas, posso afirmar com absoluta certeza que a colocação está errada. Conheço pessoalmente esquerdistas de inúmeras crenças e não-crenças (incluindo ateus e agnósticos), e há, inclusive, expoentes da esquerda dentro de igrejas. Você também pode encontrar com facilidade.
"Se são ateus é porque... geralmente são egoístas". Também não passa perto da verdade. Assim como em praticamente qualquer grupo de pessoas, há ateus egoístas, ateus solidários, e de toda a faixa entre os dois extremos. Já vi ateu na causa animal, já vi ateu salvando vidas, assim como já vi ateu dizendo que pobre tem que sofrer. Julgue com olhos isentos.

Em relação ao conhecimento acumulado em eras antigas, é notável que, nas eras modernas, este já foi superado incontáveis vezes. E, muitas vezes, refutado - caso da Terra plana, por exemplo. A separação entre as fontes de geração de conhecimento e as igrejas foi benéfica justamente por derrubar as barreiras impostas pelas últimas. Se o conhecimento contradiz alguma fé, paciência. A verdade está acima da nossa vontade.

Abraços! continuar lendo

Para que fique bem claro, transcrevo meu comentário "O MP falou sobre a exposição de arte dizendo que ela não seria pedofilia e tal, mas não importa a lei, importa a visão que temos de arte e a visão que temos da lei o mais louca possível, esse Texano só fala bobagem!"
Ou seja, mesmo que os órgãos oficias digam que a exposição é arte e que não fere a lei, o que importa é a visão dessa galera conservadora de arte e, portanto, não importa a lei, mas o que a cabeça deles quiserem que seja. Busca, meu caro "Texano" interpretar um comentário, é difícil para você já que desconhece a arte, pode, quem sabe, desconhecer literatura e tudo mais!!! continuar lendo

A representatividade destes movimentos pode ser observada nos comentários, likes e respostas a este artigo.

Uma pessoa comum que não seja "intelectual" (dona do saber) é capaz de discernir muito bem o que é certo, e o que é errado.

Mesmo que estes conceitos sejam variáveis, existem consensos, se não fosse assim não haveria convivência, nem ordem.

Respeitem a democracia, respeitem nossas crianças! continuar lendo

É isso aí.

Criança tem de ser criança, e adolescentes erotizados são um tormento para as famílias pois trazem filhos ao mundo sem nenhuma estrutura psicológica e, muitas vezes, material também.

Nossa juventude não precisa de sexo, precisa de estudos e incentivos para chegarem a fase adulta frutíferos. continuar lendo

Agradecemos pelos apontamentos denotados!

Cordialmente,

Equipe EBRADI. continuar lendo

Muito bem! o masp fez o que devia fazer, dentro da lei. eu não levaria minha filha a esse tipo de "arte". nunca. mesmo que fosse aberto a menores. vai do bom senso dos pais. e a proibição da faixa etaria nao deixa mais margens para possiveis manifestações. resta saber se será mesmo controlado. que se cumpra a lei! continuar lendo

Concordo plenamente com a direção do museu. Está previsto no ECA que crianças só podem participar de diversões e espetáculos públicos classificados como adequados à sua faixa etária, mesmo acompanhados dos pais. Não é questão de moralismo, mas de obediência à lei. Quanto à referência aos protestantes, não foram somente eles que criticaram a exposição do MAM, mas toda a sociedade.

Art. 75. Toda criança ou adolescente terá acesso às diversões e espetáculos públicos classificados como adequados à sua faixa etária.
Parágrafo único. As crianças menores de dez anos somente poderão ingressar e permanecer nos locais de apresentação ou exibição quando acompanhadas dos pais ou responsável. continuar lendo